domingo, 17 de junho de 2012

Regra dos Terços/ Composição/ Profundidade


Composição é a arte de dispor os elementos do tema, linhas, formas, cores e tonalidades, de uma forma harmoniosa e atraente que leve a atenção para a imagem ou para as partes que queremos dar maior importância. Nos desenhos isso significa: como iremos desenhar aquilo que queremos da melhor forma possível? Onde posicionar os traços na folha?
Há, então, a Regra dos Terços, que vale tanto para desenho quanto para fotografias, por exemplo. Vejamos no que ela consiste: A Regra dos Terços é uma divisão imaginária que o fotógrafo, desenhista ou pintor faz em sua área de trabalho, traçando duas linhas verticais e duas linhas horizontais simétricas, que formarão nove partes (três terços) e quatro pontos de intersecção (em vermelho na imagem).
Muitos desenhistas costumam posicionar o ponto de destaque de desenho apenas no centro, ou com a maior parte no centro.
Isso acontece normalmente pelos seguintes motivos:
1- A idéia de que a centralização destaca o objeto principal do desenho.
2- O receio de esse objeto principal não caber direito na folha se colocado mais para os cantos.
Mas, na verdade, não é esse centro que chama mais a atenção do observador. Claro que também depende do jogo de luz e sombra, cores (se houver), cenário, detalhes, etc.. Mas, de qualquer forma, o centro nem sempre é uma boa escolha, ainda mais porque já está até "clichê" tal posicionamento.
Os quatro pontos
Há, na "tela de pintura", quatro pontos que são considerados as regiões mais dinâmicas da imagem e,
por isso, podem ser mais eficientes que o centro do desenho!
E, adivinha: sim, são aqueles quatro pontos de intersecção.
O observador, ao avistar um desenho ou foto, tende a prestar mais atenção nesses quatro pontos. E é nisso que consiste a Regra. Um bom estudo e planejamento
disso trazem resultados maravilhosos. 

EFEITO DE PROFUNDIDADE

Alguns recursos permitem visualizar a composição como um espaço tridimensional tornando-a mais realista. Entre eles estão:

Planos compositivos: Estão localizados entre a margem inferior e a linha de fundo da composição. Quando um objeto se distancia do observador sua base parece ocupar um degrau acima (efeito degrau) saindo do primeiro deslocando-se para o segundo ou terceiro plano ate se aproximar da linha de fundo.

Sobreposição de formas: Com os objetos menores na frente a sobreposição de formas é um recurso fundamental para ajudar na ilusão de profundidade do espaço compositivo. Facilita na percepção dos elementos que estão no primeiro, segundo ou terceiro plano.

 Variação de escala: É percebida quando vários objetos com dimensões iguais estão dispostos em distâncias diferentes em relação ao observador. Os mais próximos parecem maiores e os distantes menores como se a escala de suas proporções fosse alterada.

Quando aplicado conjuntamente o efeito degrau, gerado pelos planos compositivos, a sobreposição de formas, e a variação de escala, estes recursos proporcionam ao espectador a idéia de maior profundidade na composição.
ATENÇÃO!

Evitar objetos sobrepostos e enfileirados lateralmente sem o uso do efeito degrau. Este procedimento passará, ao observador, a idéia de que os objetos estão ocupando o espaço físico uns dos outros.

Se o objeto do primeiro plano estiver com sua base acima da base do objeto do segundo plano, dará a idéia de que está flutuando.













Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário